Pré-carregamento

Um bom começo

Um bom começo

Ser mãe consiste em viver num campo caracterizado por uma linguagem própria, da mesma forma que ocorre na comunicação, lidando com atividades que através das palavras, dos gestos e do olhar, encontram suas ferramentas básicas de trabalho. 

Posso descrever que minha profissão no Panda Branding tem total ligação com meu lado mãe, pois com cada integrante, seja ele filho, cliente, fornecedor ou equipe, é preciso saber criar uma conexão, um elo de confiança. E, sinto informar: isso não é ensinado em um curso, na faculdade, no MBA ou no mestrado. Mas, sim, algo que nasce com a gente, como uma bênção ou uma habilidade de Deus (risos).

Caso você não tenha essa bênção, um bom começo é montar um belo briefing. Assim, evitamos erros, retrabalhos e as famosas expressões, como: ‘’essa informação não constava’’; ‘’o briefing não aborda tudo’’; ou o famoso ‘’esse briefing está um motoboy de layout’’. 

Na construção do briefing, é onde mostro o melhor caminho, guiando para todas as possibilidades e, junto com o cliente, defino a direção que vamos seguir. O briefing é o documento que organiza a casa. É ele que enalteço, pois nele sempre descrevo o meu ponto de vista, trazendo, não somente o que o cliente busca, mas suas reais necessidades.

O briefing traduz o olhar do cliente, para todos os envolvidos no processo, evitando o desalinhamento da expectativa com a realidade. Conhece aquela expressão: ‘’satisfaça cada cliente como se fosse o único’’? Ela deve ser adotada para todo os atendimentos. 

Amo o que faço e amo ser mãe. Tenho gratidão por estar em uma empresa que respeita demais o lado pessoal de cada integrante, em especial, o lado mãe. 

Enfim, não posso concluir este artigo sem deixar uma diretriz para terem um bom começo! Segue dois modelos de briefing que vão te guiar pelo caminho da comunicação e, também, pelo caminho da maternidade, um paralelo entre dois mundos, que funciona super bem.

Um bom começo
Gestalt: não é psicologia, é tecnologia
Postou 22 outubro 2020

Gestalt: não é psicologia, é tecnologia

Como a teoria da Gestalt contribui para o design de interfaces? Já faz tempo que sabemos que a psicologia interfere no modo como as pessoas percebem interfaces. Nesse sentido, os princípios da Gestalt nos ajudam a entender como conceber interfaces mais estéticas e funcionais. Mas…...

LEIA MAIS
Música e Trabalho
Postou 24 setembro 2020

Música e Trabalho

Você acorda, prepara aquele café com muito amor e está pronto para iniciar a jornada de trabalho, porém falta algo… Falta decidir o que ouvir pelos próximos minutos (ou horas). E agora? Vou na calmaria de uma bossa ou na paulada de um death metal? Ouvir música durante o trabalho é bom? Ajuda...

LEIA MAIS
Envie isso para um amigo