Pré-carregamento

Minimalismo é o novo copo Stanley

Minimalismo é o novo copo Stanley

Recentemente viajando pelo Instagram, me deparei com um vídeo que falava sobre o minimalismo e acho que esse texto até serve como um complemento do artigo que escrevi há dois anos.

São menos de 5 minutos de leitura, clica aqui para ler.

Prezar pelo essencial

No início dos anos 1960, surgiu um movimento pela simplificação da vida – o minimalismo. 

De modo geral, esse movimento prezava pelo corte do excesso e focava apenas no essencial. 

Embora o minimalismo não seja uma abordagem de massa, ele é funcional para todos, ou seja, as pessoas podem adotar o minimalismo de diferentes maneiras, conforme a sua necessidade ou preferência.

O radical, onde a pessoa se livra de suas posses, por exemplo, ou quem busca o equilíbrio com a sua vida como ela é.

Prático e funcional

Mas não vamos entrar nessa questão, porque a gente sabe falar é de design. E o design tem muito a ver com minimalismo.

Falar disso é autocrítica e contradição a mim mesmo, porque veja bem… esse é o plano de fundo do meu telefone:

Minimalismo é o novo copo Stanley

Fundo claro, limpo, detalhes em cinza e preto.  

Bonito? Minimalista. 

Funcional? 100%.

Mas não é só a função que importa, e nós nos conectamos de algum modo com as coisas visuais.

Quem nunca viajou para qualquer lugar desse mundo e tirou foto de igreja ou prédio histórico? 

Eles são ricos em detalhes e a gente busca isso em uma foto perfeita. Mostrar no detalhe. 

Enquanto isso, um super prédio, de construção moderna, abraçado por uma pele de vidro, quadrado e funcional passa despercebido.

Por quê? Nenhum detalhe visual nos agrada, ele é simplesmente normal.

No design, aprendemos que o menos é mais. Eu mesmo sempre espalhei isso, o ponto é que o menos está ficando cada vez menos e sem personalidade:

Minimalismo é o novo copo Stanley

Eliminar detalhes virou moda;

Eliminar as cores virou moda;

Sim, o minimalismo traz na sua essência um design sem ornamentos, com formas mínimas focadas no essencial e funcional… mas nunca sem personalidade.

O que vem acontecendo em rebranding, por exemplo, é justamente isso: Como vamos fazer? Eliminar todos os detalhes do logo. 

E aí, parceiro, o design parece estar caminhando para a simplificação absoluta e corte total dos detalhes.

Certo? Não se sabe. 

Nunca é possível agradar a todos e praticamente toda peça de design cai no crivo pessoal do tomador de decisão.

Enfim, o lugar-comum está cada vez mais vivo.

As melhores campanhas de Dia das Mães para você se inspirar!
Postou 6 maio 2024

As melhores campanhas de Dia das Mães para você se inspirar!

O conteúdo do Dia das Mães pode ser muito igual e genérico, espera-se que o amor de mãe seja tão grande que qualquer coisa acaba sendo aceita. Mas não é bem assim! Acreditamos que as mães do mundo todo merecem muito mais carinho e criatividade, apenas um bombom e um abraço não é o...

LEIA MAIS
Meta – Copia, só não faz igual
Postou 6 maio 2024

Meta – Copia, só não faz igual

Recentemente o Meta anunciou a possibilidade de colocar carrosséis nos reels do Instagram, uma função já disponível no TikTok. Como diria a expressão: “Quem não tem cão, caça com gato”. Isso se aplica muito bem no modo como o Meta (Facebook/Instagram) age com outras plataformas...

LEIA MAIS
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Você está inscrito!
Obrigado.
Obrigado.
Você está inscrito!
Envie isso para um amigo