Pré-carregamento

Twin Peaks e o outro lado do briefing

Twin Peaks e o outro lado do briefing

Uma caneca de café, dedos no teclado do computador, ideias e referências que transitam em sua mente. Esses são os elementos-chave que permeiam o universo de qualquer redator publicitário dos últimos anos. 

Entre um turbilhão de briefings e pautas, uma coisa é certa:  uma hora as ideias parecem escapar de nossas mentes. Para esses momentos, é preciso buscar no simples, a profundidade necessária. Afinal, não dá para trazer sempre o mesmo repertório para seus textos, campanhas e conteúdos de redes sociais. 

Mas como fazer isso? Bom, Mark Frost e David Lynch já provaram que com os ingredientes simples é possível criar a melhor  ̶ ̶t̶o̶r̶t̶a̶ ̶d̶e̶ ̶c̶e̶r̶e̶j̶a̶  narrativa, quando idealizaram e desenvolveram Twin Peaks. 

Twin Peaks e o outro lado do briefing
A personagem Margaret comendo a famosa Torta de Cereja no Double R Diner.

Criada nos anos de 1990, a série de TV trazia uma premissa clássica do gênero policial: uma cidade pequena, a garota popular assassinada, uma densa investigação do FBI, em busca do assassino. Mas Twin Peaks não se prendeu apenas a essa narrativa. Afinal, a famosa frase “Quem matou Laura Palmer?” não seria icônica se a série fosse apenas isso. 

Twin Peaks foi um ousado mergulho no surrealismo, em uma época em que os seriados eram transmitidos semanalmente na televisão e que contavam com o grande apelo do público para se manterem na grade das emissoras. 

“Inúmeras séries de televisão vieram e se foram ao longo dos últimos 65 anos, mas poucas conseguiram ter uma vida profunda e intrigante como Twin Peaks”, descreveu Brad Dukes. 

A série cativava por sua forma única de inserir o surreal de forma gradativa nos cenários já estabelecidos, mesmo nos núcleos mais realistas, já existiam personagens excêntricos e instigantes.  Entre as cenas no restaurante e as conversas entre estudantes, figuras solitárias e curiosamente hipnotizantes surgiam  na tela sorrateiramente, dançando de forma estranha e com diálogos de trás para frente. 

Mas a cereja do bolo da bizarrice apresentava-se em um cenário sinistro, o Black Lodge, um lugar extra-dimensional que parecia ter as respostas para todos os mistérios. 

Twin Peaks e o outro lado do briefing

Muito mais que marcar história na televisão, Twin Peaks, ao longo de suas três temporadas, ensinou que há sempre a possibilidade de explorar nossas perspectivas, construir novas narrativas até mesmo nas premissas mais simples. 

Trabalhar com redação publicitária também é sobre contar histórias, encantar, surpreender e envolver o espectador, como um seriado semanal, que o público religiosamente espera para assistir. 

Referências:

DUKES, Brad. Twin Peaks Arquivos e Memórias. Rio de Janeiro:Darkside Books, 2016.

Ilustração capa: https://dribbble.com/esztersletters

David Bowie – O Camaleão Do Rock
Postou 9 abril 2024

David Bowie – O Camaleão Do Rock

Hoje venho com uma recomendação um pouco diferente do usual aqui do Panda. Não é um livro, filme ou série individual, mas a obra completa de um dos artistas mais influentes de sua geração, o cantor/ator/pintor/produtor e compositor britânico David Bowie. 👨‍🎤👩‍🎤 Considerado uma lenda da...

LEIA MAIS
Michael Cera e a CeraVe – uma fusão que se encaixou perfeitamente
Postou 2 abril 2024

Michael Cera e a CeraVe – uma fusão que se encaixou perfeitamente

Muita gente foi pega de surpresa durante o Super Bowl 2024, um dos maiores eventos esportivos dos Estados Unidos, quando a marca CeraVe anunciou uma campanha bem  engraçada e inusitada com o ator Michael Cera. Conhecido por filmes como Juno (2007), Superbad (2008), Scott Pilgrim Contra...

LEIA MAIS
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Você está inscrito!
Obrigado.
Obrigado.
Você está inscrito!
Envie isso para um amigo