Pré-carregamento

Nasce Um Hitmaker: A Influência Do Tiktok Na Era Dos Charts

Nasce Um Hitmaker: A Influência Do Tiktok Na Era Dos Charts

Rihanna era uma novata, Beyoncé engatinhava solo e as boybands estavam em alta. No camelódromo da praia (e no meu porta-cds do RBD), todas as edições do Summer Eletrohits faziam sucesso. 2000 tinha começado, o Brasil descobria o Grande Irmão, eu aprendia o bê-á-bá e a vida era simples. O acesso à música? Nem tanto.

Aí veio o iTunes, e os discos e fitas K7 viraram itens de colecionador. Em 2006, o Spotify dizia “olá”, numa clara tentativa da indústria de se adaptar ao cenário.

Mas novas formas de consumo e maior autonomia por parte do consumidor não são novidades. O que distingue a vida antes e depois do streaming vai além do formato porque também é sobre o que se consome.

E se os astros e estrelas que você descobria nos anos 80 ou 90 eram indicações de amigos, sucessos na rádio ou figurões estrelando clipes na MTV, agora o melhor lugar do mundo para encontrar hits é o TikTok – a marca que mais cresce no mundo hoje em dia.[1]

Mas qual é o real impacto da plataforma no que tange rentabilidade, paradas de sucesso e a indústria a nível mundial?

Foi pensando nisso que eu comecei a fazer algumas pesquisas e…

ACONTECE QUE TUDO ESTÁ MEIO ENTRELAÇADO NESSA TEIA

O consumo de músicas aumentou em períodos de isolamento, as dancinhas e challenges do TikTok ganharam espaço e áudios foram se popularizando. Quanto mais compartilhados eles eram, maior era a chance dos usuários, que faziam uso deles serem beneficiados pelo algoritmo.

Popularidade em uma plataforma desencadeia entrega de conteúdo, entrega de conteúdo significa bom desempenho e inspira engajamento, e engajamento é a moeda mais valiosa que existe no momento. O resto você já sabe. Uma plataforma leva à outra.

Nasce Um Hitmaker: A Influência Do Tiktok Na Era Dos Charts

Ranking com as 10  faixas que mais bombaram na plataforma durante 2021. (Fonte: TikTok)

A VIDA ÚTIL DE UM HIT

Desde o surgimento, os charts sempre foram um termômetro para medir desempenhos, feitos e a ascensão de artistas. Com o passar do tempo, eles também se tornaram unidade de medida para mensurar a relevância e a sobrevivência de canções num cenário competitivo e volúvel.

Mas o TikTok parece decidido a bagunçar uma ordem cronológica natural e beber da fonte da nostalgia, sem se limitar aos lançamentos do presente.

Acontece que as métricas usadas nos charts são complexos cálculos e comparativos. Com velhos sucessos reaparecendo nas tendências, sendo muitas delas influenciadas pelo desempenho nas redes sociais, é comum ver músicas recém-saídas do forno dividindo espaço com clássicos como “Billie Jean” (1982), de Michael Jackson, e “Smells Like Teen Spirit” (1991), do Nirvana.[2]

Corroborando, hits antigos de roupagem atualizada fundem o culto à nostalgia e a adaptação do conceito de releitura, musicalmente representada pelos covers. Desta soma, florescem sucessos estrondosos do passado na voz de jovens intérpretes, e a popularização de artistas até então não tão conhecidos do grande público também se faz realidade.

PRECISAMOS FALAR DESTE CHICLETE SONORO CHAMADO BEGGIN’

Nasce Um Hitmaker: A Influência Do Tiktok Na Era Dos Charts

O TikTok quando te flagra cantarolando uma das músicas virais dele…  o dia todo, SEM PARAR.  (Fonte: Tumblr)

Você já escutou ela antes. E duvido que vá parar de escutar tão cedo.

A canção original pertence ao The Four Seasons, emplacou nas paradas há mais de cinco décadas e rendeu duas “variantes” conhecidas: uma em 2007, lançada pelo duo norueguês Madcon, e a outra apresentada pela banda Måneskin no The X Factor Itália, em 2017.

Eis que quatro longos anos se passaram desde então, e de forma espontânea este cover emplacou, virou febre e embalou cerca de 9.9 milhões de vídeos[3] no TikTok.

Como isso rolou? Nem o grupo sabe ao certo.

O que se sabe é que a faixa integra o primeiro EP gravado pelo Måneskin e foi desenterrada na web. Hitou, rendeu 24 milhões de ouvintes curtindo a discografia dos caras no Spotify, e de ex-artistas de rua em Roma e estrelas em ascensão na Europa, eles se tornaram peça-chave de um movimento que trouxe o Rock de volta ao topo da cadeia alimentar.

2022: O QUE NOS APONTAM AS TENDÊNCIAS?

Segundo a Viberate, uma das plataformas especializadas que analisa o mundo da música, este ano vai reforçar algo que os profissionais de Marketing já tinham sacado: o uso do TikTok como alavanca na carreira de artistas e a maior valorização do multiplataforma.

Por essas e outras, aí vão 03 apostas brabas para os próximos meses:

Nasce Um Hitmaker: A Influência Do Tiktok Na Era Dos Charts

O hacker que invadiu meu celular vendo todos os 1234 vídeos de dancinha que eu gravei e nunca postei porque eram ridículos.  (Fonte: WeHeartIt)

#1. Ações estratégicas de promoção de singles, conteúdos verticalizados com potencial viral e o aumento no número de streamings tendo por impulso os vídeos curtos.

#2. Para se destacar no oceano de conteúdos, ferramentas como o Reels do Instagram e o YouTube Shorts prometem mobilizar fanbases e colocar artistas e fãs em intensa colaboração.

#3. Gêneros que andavam adormecidos nos charts chegam “com sangue nos olhos”, e a música em língua inglesa deve aprender de vez a dividir espaço com outros idiomas no mainstream.


FONTES:

DA ROSA, Gabriela. A influência do Tiktok nos Charts: Uma análise do desempenho da canção drivers license. UPF, 2021. Acesso em 13 de fev. de 2022.

Year onTIKTOK, 2021. Disponível em: <https://www.tiktok.com/year-on-tiktok/pt-br/>. Acesso em 20 de fev. de 2022.

2022 State of Music by VIBERATE. Disponível em: <https://report.viberate.com/>. Acesso em 19 de fev. de 2022.

ESTUDO indica que Måneskin e TikTok popularizaram o Rock para as novas gerações. Tenho Mais Discos Que Amigos (TMDQA). Disponível em: <https://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2022/02/02/estudo-maneskin-tiktok-interesse-rock/>. Acesso em 14 de fev. de 2022.

LLORCA, Paula Palomero. La influencia del uso de temas musicales en TikTok, sobre el éxito de los mismos en la plataforma Spotify y en la lista de éxitos Billboard, en Estados Unidos. Disponível em: <http://repositori.uji.es/xmlui/handle/10234/195234>. Acesso em 15 de fev. de 2022.

CHOW, Andrew. The Breakout Musical Stars of TikTok in 2021. TIME, Nova Iorque. Disponível em:<https://time.com/6130707/tiktok-music-2021/>.Acesso em 10 de fev. de 2022.


[1] Baseada em uma pesquisa divulgada pela Brand Finance, que evidenciou um crescimento de 215% no valor da plataforma dentro do período de um ano.

[2] Ambas as canções citadas integravam o Billboard Global 200 em fevereiro de 2022, no momento em que este texto foi redigido.

[3] Número verificado em 20 de fevereiro de 2022.

Três segundos e o produto dos seus sonhos
Postou 25 junho 2024

Três segundos e o produto dos seus sonhos

Quem frequenta o TikTok já deve ter visto um vídeo ao menos de uma empresa chinesa vendendo todo tipo de bugiganga. Eles fazem parecer que um pequeno apartamento vira uma cápsula de nave espacial de 2340. E o melhor: ainda vem com historinha! @minigoods5 #minigoods #fyp #yiwuminigoods...

LEIA MAIS
Go hardcore, or go home
Postou 12 junho 2024

Go hardcore, or go home

A biografia de Musk é imprescindível “The Man Who Followed Elon Musk Everywhere” é uma entrevista com Walter Isaacson, autor da biografia do empreendedor, conduzida pelo canal “The Diary Of A CEO” que aborda diversos aspectos da vida e carreira de Elon Musk. Mesmo autor da...

LEIA MAIS
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Você está inscrito!
Obrigado.
Obrigado.
Você está inscrito!
Envie isso para um amigo