Pré-carregamento

Lovemarks e o relacionamento estratégico nas redes sociais

Lovemarks e o relacionamento estratégico nas redes sociais

Você já se apaixonou por uma marca? Seja pela estética dos produtos e/ou redes sociais, pelo conteúdo, ou, simplesmente, pela forma que a marca comunica e conversa com o cliente. Se já passou por essa experiência, saiba que essa marca/empresa significa uma Lovemark para você! Pois é, o fato de você se apaixonar por uma marca e abrir um espaço no seu coração para ela, é o que a torna uma Lovemark.

Com o passar dos anos, as marcas perceberam que adotar posturas frias com os seus públicos não traziam tantos resultados, afinal, pessoas precisam de emoções, precisam se conectar com a marca e estabelecer uma relação de confiança para ser fiel a ela. E nada melhor do que criar um ambiente de proximidade com o cliente para se tornar uma marca adorada pelo público, despertando paixão no consumidor. E isso é muito mais do que lançar um produto “adorável”, é se apresentar como uma marca realmente adorável. 

Para Kevin Roberts (2004), criador do conceito Lovemark, envolver afeto nas relações com o consumidor é uma atitude óbvia, já que o ser humano é programado para sentir amor: “as lovemarks fazem sentido de imediato. Cada pessoa com quem lidamos é um ser humano emocional, embora as pessoas só vejam números. Alvos. Estatísticas.” Segundo Roberts (2004, p. 70) o que diferencia uma marca comum de uma lovemark são basicamente 12 pontos fundamentais, relacionados no quadro comparativo abaixo: 

Comparativo Marca X Lovemark

MARCALOVEMARK
Informação
Reconhecida pelos consumidores
Genérica
Apresenta uma narrativa
Promete qualidade
Simbólica
Definida 
Declaração
Atributos definidos
Valores
Profissional
Agência de Publicidade
Relacionamento
Amada pelas pessoas
Pessoal
Cria uma história de amor
Tem um toque de sensualidade
Icônica
Infundida
História
Envolve mistério
Espírito 
Passionalmente criativa
Companhia de ideias
Fonte: Livro Lovemarks

Mas, afinal, qual a importância de ser Lovemark? E como as marcas conquistam esse espaço em nossos corações? Primeiro: construir um relacionamento estrategicamente afetivo com o público abre canais de comunicação direta, o que possibilita ouvir e entender o que o público procura. Passo super importante para desenvolver ações mais assertivas e fidelizar o cliente. A linha de um bom relacionamento entre empresa e cliente é tênue, e a eficácia desta relação requer uma atenção singular. O que nos leva ao segundo ponto: não há receita ou manual de instruções para se tornar empresa amada, há uma série de pequenos fatores a serem trabalhados, o único fato é que você precisa oportunizar experiências.

Com o boom das redes sociais nos últimos anos, esse espaço se tornou muito propício para criar experiências singulares, já que a internet tem como fortes características a velocidade e a instantaneidade na troca de informações, possibilitando a voz ativa da empresa e do público. Marcas como Netflix e Nubank, trabalham com excelência ações de relacionamento estratégico no ambiente digital, refletindo o posicionamento das marcas, por meio do atendimento personalizado ao cliente.

Linguagem acessível (e a cara do público) e muita interação:

Lovemarks e o relacionamento estratégico nas redes sociais
Lovemarks e o relacionamento estratégico nas redes sociais
Lovemarks e o relacionamento estratégico nas redes sociais
Lovemarks e o relacionamento estratégico nas redes sociais

Ao conectar o conceito de Lovemaks com as redes sociais é possível obter a fórmula perfeita de um bom relacionamento estratégico no ambiente digital, pois a marca já está inclusa no cotidiano do público e, ainda, possibilita a interação, troca de informações e a familiaridade com o seu cliente de maneira mais rápida. Afinal, se sentir reconhecido, acolhido e parte da empresa é tudo que o cliente procura. ♥

Dias de luta são dias de glória: o que os filmes de terror me ensinaram sobre viver a comunicação como ela é
Postou 24 maio 2021

Dias de luta são dias de glória: o que os filmes de terror me ensinaram sobre viver a comunicação como ela é

(Alô, mãe! Este texto é pra você, que sempre definiu meus hobbies como “uma perda de tempo inútil”). Nascida pós o boom dos slashers oitentistas, passei boa parte da adolescência sem entender como medo e entretenimento podiam andar juntos. Hoje, uns bons anos mais velha, eu me uni ao...

LEIA MAIS
Podcasts: voz e a velha nova forma de compartilhar conteúdo
Postou 26 abril 2021

Podcasts: voz e a velha nova forma de compartilhar conteúdo

A maneira que eu encontrei de explorar o mundo no sofá da sala Você que é usuário da internet, com certeza já ouviu um podcast pelo menos um vez na vida. Caso contrário, acredito que esteja na hora de sair do tempo das cavernas e rever a sua forma de consumir conteúdo on-line....

LEIA MAIS
Envie isso para um amigo