Pré-carregamento

Eu fui manipulado?

Eu fui manipulado?

Descubra o poder dos gatilhos mentais para influenciar decisões

O que nos faz parar de rolar o feed das redes sociais e ler um post ou anúncio?

Hoje, esse desafio de capturar a atenção e influenciar as ações das pessoas se tornou uma arte valiosa.

E sim. Todos nós já fomos influenciados – ou será que fomos manipulados? 

Uma das mais importantes funções do marketing é descobrir o que emociona, enfurece, amedronta ou excita o ser humano para, assim, se relacionar com ele de uma forma mais autêntica e convincente.

Enquanto o usuário está na internet, por exemplo, ele é bombardeado com milhares de conteúdos em texto, imagem ou vídeo. Para um deles chamar sua atenção em meio a tanta informação, é preciso despertar um instinto quase que primitivo do cérebro. É o que chamamos de gatilhos mentais. 

Esse é um recurso poderoso no universo da comunicação persuasiva e do copywriting, e saber como usá-lo é uma das maiores estratégias para influenciar as pessoas a tomarem decisões.

Em resumo… se não podemos lutar contra a tal da manipulação, é melhor aprender a usar esses gatilhos como estratégia de persuasão para nos aproximar das pessoas, certo? 

Mas o que são mesmo os Gatilhos Mentais?

Gatilhos mentais são padrões psicológicos que podem ser ativados por palavras, imagens ou situações, desencadeando respostas automáticas e emocionais nas pessoas. Eles têm raízes profundas na psicologia humana e influenciam decisões e comportamentos de maneira sutil e quase sempre inconsciente. 

Quando usados estrategicamente, os gatilhos mentais podem catalisar ações específicas, como a compra de um produto, o engajamento com uma ideia ou a adesão a uma proposta.

A Psicologia e o Neuromarketing 

A compreensão dos gatilhos mentais está baseada em princípios fundamentais da psicologia, que busca entender como as pessoas interpretam e respondem a informações do ambiente. 

Em seus estudos centenários, os neurocientistas entenderam que tomar uma decisão é uma ação irracional no cérebro humano. A partir daí, os conhecimentos acerca desse assunto basearam as teorias do neuromarketing.

O principal objetivo do neuromarketing é entender o comportamento do consumidor para comunicar-se com ele de forma mais assertiva. 

Alguns exemplos de perguntas que os estudos na área respondem é:

  • Por que os consumidores compram da marca X e não da Y?
  • Como o cérebro humano reage a determinada cor?
  • Qual emoção aumenta as chances da pessoa comprar?
  • Qual o tipo de texto mais chama a atenção?

Entender isso nos ajuda a melhorar a performance do marketing e a entregar soluções mais específicas para os clientes. 

Vamos pensar assim: se estamos gostando de alguém e descobrimos que essa pessoa é apaixonada por café. Não faz sentido marcar um encontro numa cafeteria? Apresentar a ela um café diferentão ou convidar para um passeio que tenha café envolvido? Isso não vai aumentar a chance da relação dar certo? 

Quando pensamos em comunicação de marca, o princípio é o mesmo – criar uma relação com as pessoas a partir do que conhecemos delas, para despertar emoções e, por fim, torná-las nossas clientes.

Bora então conhecer a melhor forma de tocar no emocional das pessoas? 

Gatilhos mentais mais eficazes na comunicação: 

Reciprocidade 

Ele explora a tendência humana de querer retribuir favores e gestos positivos. Ao oferecer algo de valor, seja uma recompensa, uma amostra gratuita ou um conteúdo informativo, as pessoas se sentem inclinadas a responder de maneira positiva.

Eu fui manipulado?

Neste anúncio, a Lacta usa deste gatilho para incentivar a compra dos chocolates, oferecendo ao consumidor presentes a sua escolha. 

Autoridade 

As pessoas tendem a seguir figuras de autoridade ou especialistas em determinados assuntos. O uso apropriado de credenciais e referências pode despertar esse gatilho, levando as pessoas a confiar e seguir as orientações apresentadas.

Eu fui manipulado?

“A marca mais recomendada pelos dentistas.” A Sensodyne sempre usou esse gatilho em seus comerciais com imagens de dentistas de jaleco, para atestar a eficiência do produto.

Eu fui manipulado?

Autoridade também se atesta com credibilidade. Mostrar que uma marca é bem vista pelo público, os prêmios que ganhou ou avaliações de clientes também desperta esse gatilho. 

Escassez

A percepção de escassez de algo pode aumentar o desejo das pessoas por aquilo que está disponível em quantidade limitada, por medo de perder a oportunidade. A ideia de “últimas unidades” ou “por tempo limitado” ativa esse gatilho, impulsionando a ação imediata.

Eu fui manipulado?

Vamos contar quantos gatilhos de escassez estão inseridos nesse site de reserva de hotel? 

1 – “só restam 3 opções no nosso site” / 2 – “Oferta limitada” / 3 – “18 pousadas como essa já estão indisponíveis” / 4 – “1 outra pessoa pesquisou por suas datas nos últimos 10 minutos”

Prova Social

A busca por aceitação social é uma característica inerente ao ser humano. Mostrar que outras pessoas têm apreciado um produto pode estimular esse gatilho, influenciando outros a aderirem também.

Eu fui manipulado?

Comunicação da Gummy Hair, cápsula de colágeno. Produtos de beleza utilizam muito esse gatilho, e vemos ele também nas propagandas feitas por influenciadores. Afinal, “se fulana usa, deve ser bom.”

Eu fui manipulado?

E não precisa ser gente famosa para ativar o gatilho da prova social. Basta pedir alguns depoimentos aos seus clientes para despertar a confiança nas pessoas. 

Empatia 

Conectar-se emocionalmente com o público é uma maneira poderosa de acionar o gatilho da empatia. Histórias envolventes e narrativas pessoais podem criar laços emocionais, levando as pessoas a se identificarem e se envolverem.

Eu fui manipulado?

https://www.instagram.com/p/CsTcBegO7-p/

Contar uma história sempre gera identificação, em algum nível. Vemos isso em muitas comunicações de escritores, CEO’s e empreendedores que contam suas histórias de superação para vender algum curso, palestra ou para ganhar notoriedade. 

Comunidade

Desde o início de nossa espécie, nos organizamos coletivamente, com a necessidade de pertencer a um grupo. Fazer alguém se sentir parte de uma comunidade reforça a proposta de valor de seu produto e contribui para criar fãs da marca. 

Apple, Nike e Nubank são marcas que sabem muito bem criar senso de comunidade em seus clientes, fazendo eles desejarem consumir da marca para fazer parte de um grupo social.

Curiosidade

Essa é uma emoção que está associada ao prazer. É a curiosidade que fará com que as pessoas busquem mais informações sobre o produto, assistam seus vídeos, abram os e-mails e assinem uma newsletter.

Eu fui manipulado?

Um exemplo de teaser de lançamento feito pela Peugeot, um claro apelo à curiosidade e spoiler acerca do desempenho do carro.

Evitar a dor / Obter prazer

O comportamento humano é impulsionado pela necessidade de evitar a dor ou pelo desejo de obter prazer. Conhecer as dores do seu cliente e trazer a solução para elas na comunicação é um gatilho extremamente valioso. 

Eu fui manipulado?

Essa copy de um site de marketing de conteúdo soluciona uma grande dor das pessoas que anunciam na internet – alto custo e baixo retorno.

Eu fui manipulado?

Aqui, a Wise Up, escola online de inglês, promete realizar um dos maiores desejos das pessoas – ganhar mais dinheiro. 

Eu fui manipulado?

Esta Landing Page de um serviço de inteligência artificial traz o gatilho na headline – ganhar mais e perder menos tempo.

Quando entendemos a natureza dos gatilhos mentais e aplicamo-os de maneira ética e responsável, é possível atingir o inconsciente das pessoas com as palavras e transformá-las em ação. 

Uma estratégia e tanto para quem trabalha com marketing, não é? 

Comece a pensar no que te atrai quando você decide comprar um item ou contratar um serviço. Por que motivos você se identificou com a comunicação deles? Por que resolveu comprar de uma marca e não de outra? 

Essas respostas vão te ajudar a identificar os seus gatilhos e provavelmente abrirão caminho para comunicações mais eficazes e criativas.

Sim, mais uma resenha de “O pequeno príncipe”
Postou 9 fevereiro 2024

Sim, mais uma resenha de “O pequeno príncipe”

Para quem quiser escutar a recomendação do André, ele mandou um áudio falando dessa obra tão importante em sua vida, que você pode ouvir abaixo. E para os outros que preferem ler, segue o texto transcrito: O pequeno príncipe é meu livro favorito, e talvez ele para sempre...

LEIA MAIS
Pinterest Store?
Postou 9 fevereiro 2024

Pinterest Store?

Seriam as plataformas virtuais as novas vitrines de lojas? Uma notícia recente chamou bastante a atenção, em que o Diretor de negócios do Pinterest, Rogério Nicolai, expressou o desejo da plataforma de tornar tudo comprável, afinal, usuários salvam milhares de fotos de itens, peças de...

LEIA MAIS
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Você está inscrito!
Obrigado.
Obrigado.
Você está inscrito!
Envie isso para um amigo