Pré-carregamento

Logorama – A imersão no mundo das marcas

Logorama - A imersão no mundo das marcas

O curta “Logorama”, com duração de apenas 15 minutos, conquistou o mundo cinematográfico, sendo considerado o melhor da sua categoria em 2009, no Festival de Cannes, e recebendo o Oscar de melhor animação em 2010. Escrito pelos franceses François Alaux, Hervé de Crecy e Ludovic Houplain, a animação cria uma verdadeira cidade-propaganda repleta de marcas conhecidas pelo mundo todo. A ambientalização distópica é equilibrada com doses de humor e referências que enchem os olhos dos espectadores. 

Ele é tão bem trabalhado que, mesmo assistindo mais de uma vez, é praticamente impossível reconhecer todas as marcas que compõem as ruas coloridas da cidade. Toda poluição visual e auditiva foi construída com o simples propósito de causar reflexão no telespectador que, ao ver as diversas empresas que dominam o espaço urbano, assimila isso ao mundo real. Questionamentos são gerados quando paramos para analisar o quão próximos realmente estamos da fantasia criada pelo francês. 

A história tem como arco central a perseguição do personagem Ronald Mcdonald – famigerado representante de um dos maiores fast food do mundo – por dois policiais caracterizados como os bonecos Michelin. A trama é relativamente simples, porém muito bem construída para causar impacto. Um exemplo que gera estranheza, mas não foge do propósito dos escritores, é que todos os habitantes da cidade – sejam humanos ou animais – tomaram formas de logomarcas conhecidas, fazendo alusão a como o mundo é dominado pelas grandes corporações. Isso, entre outros fatores, torna a obra muito mais complexa do que aparenta ser. Ao decorrer do desenvolvimento da animação, podemos acompanhar uma caça desenfreada, aludindo à própria disputa feroz do capitalismo mundial, que presenciamos todos os dias. A cidade, que já não suporta mais sua incessante busca para saciar seus apetites consumistas, chega à sua ruína. 

Além de ser uma obra de extrema criatividade, traduz a imensidão de cores e logos em uma grande crítica social, nos levando a reparar na quantidade de marcas diversificadas – umas até um pouco estranhas – que regem nosso cotidiano e influenciam nossas decisões diárias. Uma década após seu lançamento, podemos presenciar similaridades e desdobramentos da obra no contexto das mídias sociais. Atualmente, a disputa por visibilidade, números e popularidade crescem cada dia mais, onde marcas tentam desesperadamente ocupar cada vez mais espaço na vida do consumidor. A poluição visual e a quantidade de informação que temos que processar ao decorrer do filme é até um pouco angustiante – propositalmente – e quando paramos para analisar o contexto concluímos que lidamos todos os dias com essa realidade, só que de forma virtual. 

Assista ao curta-metragem na íntegra:

David Bowie – O Camaleão Do Rock
Postou 9 abril 2024

David Bowie – O Camaleão Do Rock

Hoje venho com uma recomendação um pouco diferente do usual aqui do Panda. Não é um livro, filme ou série individual, mas a obra completa de um dos artistas mais influentes de sua geração, o cantor/ator/pintor/produtor e compositor britânico David Bowie. 👨‍🎤👩‍🎤 Considerado uma lenda da...

LEIA MAIS
Michael Cera e a CeraVe – uma fusão que se encaixou perfeitamente
Postou 2 abril 2024

Michael Cera e a CeraVe – uma fusão que se encaixou perfeitamente

Muita gente foi pega de surpresa durante o Super Bowl 2024, um dos maiores eventos esportivos dos Estados Unidos, quando a marca CeraVe anunciou uma campanha bem  engraçada e inusitada com o ator Michael Cera. Conhecido por filmes como Juno (2007), Superbad (2008), Scott Pilgrim Contra...

LEIA MAIS
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Fique por dentro!
Receba nossas últimas novidades por email.
Você está inscrito!
Obrigado.
Obrigado.
Você está inscrito!
Envie isso para um amigo